03/06/2020 07:57

Covid-19: Barreiras sanitárias fecham acesso a cidades da fronteira no Cone Sul de MS

Profissionais de saúde fazem rigoroso controle de quem entra e quem sai. Em alguns locais munícipes que viajam à cidades que tem casos positivos de coronavírus, ao retornarem tem que cumprir isolamento por 7 dias.

Is allowance instantly strangers applauded

Vilson Nascimento

Com o objetivo de amenizar os riscos de contágio da população em meio a pandemia de coronavírus, vários municípios da região de fronteira com o Paraguai, no Cone Sul de Mato Grosso do Sul, montaram barreiras sanitárias nas principais vias de acesso, para monitorar quem entra e quem sai das cidades.

Em Aral Moreira

Barreira sanitária montada na MS-286 em Aral Moreira. (Fotos: Vilson Nascimento e Divulgação)

Em Aral Moreira, que apesar de ainda não ter registrado nenhum caso positivo da doença, decreto municipal também instituiu o uso obrigatório de máscara de proteção para toda a população e barreiras foram montadas pela Secretaria Municipal de Saúde nas duas principais vias de acesos à cidade.

Nas barreiras, uma na saída para a MS-286 que liga região do Taji e a cidade de Amambai e outra na MS-165, que liga Aral Moreira a Ponta Porã pela linha internacional, pessoas que não residem no município respondem um questionário detalhando o que vão fazer, o tempo que vão permanecer na cidade e os locais que vão frequentar no período em que tiverem em Aral Moreira.

Aral Moreira também adotou, em relação a seus munícipes, uma medida que já vem sendo aplicada por um bom tempo pelo setor de saúde da prefeitura no município vizinho de Coronel Sapucaia, que é em caso de pessoas moradoras na cidade, mas por algum motivo tenham que viajar para cidades que já tem casos positivos de covid-19 como Amambai, Ponta Porã e Dourados, por exemplo, ao retornarem, tem obrigatoriamente que cumprir quarentena, ou seja, não podem sair de casa por um período de 7 dias, quarentena esta que tem o monitoramento do setor de saúde das respectivas prefeituras.

Em Coronel Sapucaia

Em Coronel Sapucaia, município desde o início da pandemia até essa semana não havia apresentado caso suspeito de covid-019, além de determinar isolamento temporário de quem deixa a cidade e retorna, a barreira sanitária montada na MS-289, na saída para Amambai e principal via de acesso a cidade, só permite a passagem de pessoas não residentes se forem prestadores ou representantes de empresas que fornecem serviços e insumos considerados essenciais.

Barreira sanitária montada na MS-289 em Coronel Sapucaia. 

Essa semana a Secretaria Municipal de Saúde local registrou o primeiro caso suspeito de covid-19. 

O material coletado foi enviado ao Lacen-MS, o Laboratório Central do Estado, em Mato Grosso do Sul. O resultado do teste foi divulgado no final da tarde desse sábado, 30 de maio e deu negativo para a doença, segundo o secretário municipal de saúde local, Flávio Galdino da Silva.

Em Paranhos

No município de Paranhos, que já teve registro de um caso positivo de covid-19, duas barreiras sanitárias fazem a medição de temperatura com emprego de termômetro digital e controlam de quem entra e sai na cidade.

Barreira sanitária montada na MS-295 e na MS-295 em Paranhos. 

Uma está situada na MS-295, saída para Amambai e Tacuru e outra na MS-160 que é de chão e liga Paranhos a Sete Quedas pela linha internacional que separa Brasil e Paraguai.

De acordo com a secretária municipal de saúde local, Flávia Medeiros Vilar, 85 pessoas estão sendo empregadas nas ações preventivas nas barreiras sanitárias em Paranhos.

São profissionais da educação, esporte e da Defesa, que atuam sob supervisão de profissionais da área de saúde e respaldo das polícias, Civil e Militar local.  

Em Sete Quedas

Em Sete Quedas, à exemplo de Paranhos e Coronel Sapucaia,  cujas divisas secas com as cidades paraguaias lindeiras estão fechadas pelas forças de segurança do país vizinho, a barreira sanitária, que além de controlar quem entra na cidade, também faz a medição de temperatura com emprego de termômetro digital, está situada na MS-160, que liga a cidade de Tacuru.

Sete Quedas já teve notificações de casos suspeitos, mas todos deram negativos para coronavírus durante testes laboratoriais.

Tacuru e Iguatemi

Em Tacuru, onde já foram registrados cinco casos positivos de covid-19, quatro tendo como pacientes pessoas de uma mesma família vindas de fora do Estado a passeio e um paciente local que havia mantido contato com os visitantes infectados, uma barreira sanitária foi montada pelo governo municipal na principal entrada da cidade para quem vem de municípios como Amambai e Iguatemi.

Barreira sanitária montada na MS-160 em Tacuru. 

Em Iguatemi, que já teve notificações, mas ainda não registrou nenhum caso positivo de covid-19, foram montadas quatro barreiras sanitárias, fechando as principais vias de acesso a cidade.

Uma das barreiras está localizada na MS-295, na saída para Tacuru, outra na MS-180, na saída para Jutí, outra na MS-295, porém na saída para Eldorado e a quarta barreira foi montada na MS-386, que dá acesso às cidades de Japorã e Sete Quedas.

Matéria atualizada às 17h38 desse sábado (30) para acréscimo de informação.

Abaixo barreiras sanitárias montadas na região

Coronel Sapucaia

Aral Moreira

Paranhos

Sete Quedas

Tacuru

Iguatemi

 

 

 

Fonte: A Gazetanews