12/12/2019 19:27

Promessa de rota para o desenvolvimento, MS-289 entre Amambai e Jutí é hoje obstáculo para o produtor rural

Pedras soltas, oriundas de cascalho mal compactado, colocam em risco a segurança, danificam pneus, veículos e são sinônimos de prejuízos.

Vilson Nascimento

Apontada como uma promissora rota de desenvolvimento para Amambai e toda a região por encurtar distâncias e cortar áreas de expansão agrícola e com pecuária forte, a MS-289 (entre Amambai e Jutí) é hoje um grande desafio para quem trafega e sinônimo de prejuízo à centenas de pequenos, médios e grande produtores, que utilizam cotidianamente o trecho da rodovia estadual para se deslocarem até suas propriedades e escoarem suas produções.

Pedras soltas e pontiagudas danificam veículos, pneus e colocam em risco a segurança na MS-289.  (Fotos: Vilson Nascimento)

Ao longo os cerca de 70 quilômetros da via, ligando a MS-156 (Amambai a Tacuru) a MS-180 (Iguatemi a Jutí), que são pavimentadas, a MS-289 apresenta vários problemas, que vão deste bancos de areia em período de seca à lamaçal em períodos chuvosos, mas o problema mais grave está nos primeiros 35 quilômetros da rodovia para quem se desloca no sentido Amambai a Jutí.

Após temporais registrados em 2015, que devastou estradas e pontes em toda a região, com o intuito de recuperar este trecho da MS-298, uma empresa contratada pelo Governo do Estado implantou cascalho em vários pontos da rodovia, mas além de utilizar pedras inadequadas, não realizou a compactação correta do cascalho.

Este veículo, que seguia para realizar manutenção em maquinários em uma propriedade rural, ficou pelo caminho ao ter o carte estourado por uma pedra solta na rodovia.

Por conta do serviço considerado mal feito, os problemas começaram a surgir logo após a implantação do cascalhamento e, com o aumento do tráfego, foram se agravando ao longo do tempo.

Hoje trafegar por aquele trecho de rodovia, que ao longo de sua extensão conta, além de grandes propriedades produtoras de grãos e criação de bovinos, também com assentamentos rurais, onde são desenvolvidas atividades típicas da agricultura familiar, se tornou uma grande aventura, sinônimo de risco e prejuízos.

Além de causar danos e oferecer inclusive risco à segurança para quem trafega de moto o carro baixo, as pedras soltas, segundo o Sindicato Rural de Amambai (SRA), que tem cobrado frequentemente a manutenção, na MS-289 também tem causado grandes prejuízos aos produtores rurais, tanto no âmbito material danificando e cortando pneus de veículos de carga, bem como atrasando entregas e encarecendo o preço do frete, por exemplo.

Sem previsão para reparos

Apesar da situação grave e o período ser de pré-safra, não há uma previsão categórica dos órgãos governamentais para resolver o problema.

Cobrada pelos produtores rurais, a administração municipal de Amambai chegou a esboçar ação para recuperar com máquinas da prefeitura, pontos considerados mais críticos da MS-289, mas esbarrou, segundo o governo municipal, na legalidade, por se tratar de uma rodovia estadual.

Apontada como promissora rota para o desenvolvimento da região, a MS-289 entre Amambai e Jutí é sinônimo de prejuízo para a classe produtora e obstáculo para o crescimento da economia regional. 

Procurada pela reportagem o grupo A Gazeta, a direção da regional da Agesul (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos), com sede em Amambai, informou, na semana passada, que estava encontrando dificuldades para arrumar cascalho próximo para recuperar a rodovia, tendo em vista a quantidade à ser empregada.

Procurada pela nossa reportagem, a Secretaria de Obras da Prefeitura de Amambai, informou que a gestão municipal disponibilizou ao Estado, cascalho de sua jazida para a implantação na rodovia, mas o órgão estadual teria considerado muito longe para o transporte.

Nessa quinta-feira, 12 de dezembro, a reportagem do grupo A Gazeta recebeu a informação que, pelo menos por parte da empresa terceirizada pelo Estado para a manutenção de rodovias pavimentadas e não pavimentadas da região, não havia determinação da Agesul no sentido de realizar reparos na MS-289 entre Amambai e Jutí neste final de 2019, mas no final da tarde uma nova informação levada ao conhecimento do Sindicato Rural de Amambai, dava conta que, por determinação do governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja, reparos deverão ser realizados no menor espaço de tempo possível na rodovia estadual.

O Governo do Estado assumiu, durante a campanha eleitoral, compromisso com a classe produtora a sociedade amambaiense em pavimentar o trecho da MS-289 entre Amambai e Jutí durante sua gestão, que se encerra em dezembro de 2022.

 

Fonte: A Gazetanews