23/04/2019 18:01

Misturar variedades de gramíneas reduz infestação de insetos

"Ficamos muito surpresos com a clareza do efeito da diversidade de cultivares"

Is allowance instantly strangers applauded
magem créditos: Embrapa

Um estudo realizado por cientistas dos Estados Unidos, indicou que o ato de misturar variedades de gramíneas pode reduzir a infestação de insetos nos gramados, principalmente da lagarta-do-cartucho. Para fazer os testes, os pesquisadores utilizaram, principalmente, a variedade St. Augustinegras, que é uma das mais comuns utilizadas em solo norte-americano. 

A St. Augustinegrass ( Stenotaphrum secundatum ) é a espécie de grama mais comum no sudeste dos Estados Unidos e é tipicamente plantada com uma única cultivar em um gramado inteiro. Mas múltiplas variedades cultivadas de St. Augustinegrass estão comercialmente disponíveis, e entomologistas da paisagem da Universidade da Flórida e do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos recentemente procuraram descobrir quais, se alguma, daquelas cultivares ofereciam resistência natural à lagarta. 

Seus testes descobriram que nenhuma das seis cultivares comuns de St. Augustinegrass se elevava acima das demais, resistindo à infestação por lagarta-do-cartucho. Mas, quando as cultivares foram plantadas juntas em misturas de dois ou quatro cultivares, foi uma história diferente. Isso porque, a lagarta-do-cartucho do outono claramente preferia as plantações de cultivo único. 

"Ficamos muito surpresos com a clareza do efeito da diversidade de cultivares na seleção de hospedeiros e alimentação das lagartas do outono", diz Ethan Doherty, cientista biológico do Centro de Pesquisa e Educação Indígena da Universidade da Flórida e principal autor do estudo. "Os insetos tinham uma preferência consistente pelas plantações de monoculturas de cultivares e vimos que o efeito da diversidade de cultivares tornou-se cada vez mais pronunciado à medida que a diversidade aumentava de duas para quatro cultivares. Não esperávamos um resultado tão claro”, concluiu. 

Fonte: Agrolink