10/05/2019 16:35

Paulo Corrêa agenda reunião com presidente do TJ/MS na busca pela permanência do Fórum em Coronel Sapucaia

Assustados com assalto ao Sicredi e outras ações de delinquentes, servidores do judiciário temem pela segurança ao trabalharem no município.

Vilson Nascimento

Preocupado em garantir uma conquista recente da população local, que durou anos para se consolidar, mas agora está ameaçada, que é a permanência das atividades do Fórum na Comarca, em Coronel Sapucaia, o presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul (AL/MS), deputado estadual Paulo Correa, agendou uma audiência com o presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJ/MS), desembargador Carlos Alberto Alves da Rocha.

O presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, deputado Paulo Corrêa. Ele, acompanhado de autoridades do município, vai levar ao presidente do TJ/MS,importância da permanência das atividades do Fórum na Comarca de Coronel Sapucaia. (Foto: Assessoria AL/MS)

Na audiência, prevista para acontecer às 15h da próxima quarta-feira, dia 15 de maio, acompanhado por representantes dos poderes Executivo e Legislativo no município da fronteira com o Paraguai, Paulo Corrêa vai levar ao presidente do TJ, a importância da permanência das atividades do Fórum em Coronel Sapucaia, tanto para atender a demanda da população do município, principalmente os hipossuficientes que antes da chegada do Fórum local acabavam não tendo acesso a Justiça por falta de condições para se deslocarem a outro município, no caso Amambai, como para otimizar a presença e as ações do Poder Judiciário naquela região do Estado.

Permanência ameaçada

Rumores indicam que o Fórum de Coronel Sapucaia, que foi inaugurado em janeiro deste ano (2019) corre o risco de fechar as portas por falta de segurança.

Servidores do Poder Judiciário lotados na cidade que fez divisa seca com o município paraguaio de Capitan Bado estariam com medo de continuar trabalhando em Coronel Sapucaia tendo em vista ações criminosas registradas na cidade, principalmente após um assalto a uma unidade do Sistema de Crédito Cooperativo (Sicredi) ocorrido no mês passado (abril) onde um bando fortemente armado transformou, durante a madrugada do dia 5 de abril, o centro da cidade em um verdadeiro campo de guerra.

Fonte: A Gazetanews