03/04/2020 10:29

12 dos 13 vereadores do município se agruparam em 3 partidos que apoiam a reeleição de Dr. Bandeira, em Amambai

Dança das cadeiras durante a janela partidária também praticamente decretou a morte de vários pequenos partidos no município.

Vilson Nascimento

Com a janela partidária desse mês de março e inicia de abril, que permite ao parlamentar trocar de partido sem perder o mandato, doze dos treze vereadores que compõem a atual legislatura, se agruparam em três partidos que declaradamente vão apoiar uma eventual candidatura do atual prefeito, o médico, Dr. Edinaldo Bandeira, à reeleição em 2020, em Amambai.

O PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira), que é presidido pelo próprio prefeito, Dr. Bandeira, manteve a vereadora Janete Córdoba e o atual presidente da Câmara, vereador Robertino Dias e recebeu mais três parlamentares, Roberto Peres , o “Sangue Bom” (ex-DEM),  Ilzo Victor Arce (ex-Solidareidade) e o vereador Darci José da Silva (ex-PSB).

Dos 13 vereadores que compõe a atual legislatura, em Amambai, 12 se dividem em três partidos que declaradamente vão apoiar uma eventual candidatura do atual prefeito no município. (Fotos: Vilson Nascimento)

O DEM (Democratas) do vice-prefeito Valter Brito da Silva, que tem na presidência o diretor de comunicação da prefeitura local, José Aparecido Aguiar, perdeu o Roberto Sangue Bom para o PSDB, mas manteve o vereador Dilmar Dalvane Bervian e ganhou quatro novos vereadores, Maikell Ruiz (ex-PP), Carlos Roberto Batista do Nascimento , o “Carlinhos (ex-PPS), Luiz Fernando Fischer (ex-Avante) e Luciano dos Santos Maurício, o “Tiane” (ex-Patriota).

O PT (Partido dos Trabalhadores), que é presidido pelo atual secretário de meio ambiente do município, Luciney Bampi e não tinha representante no parlamento municipal, passou a contar com dois vereadores, Ismael Morel, o “Ismael Kaiowá”, que é indígena e vem do MDB e o vereador Humberto Hasegawa (ex-PSC).

O vereador Geverson Vicentin, do Partido Democrático Trabalhista, que também é o presidente da sigla no município, permaneceu no PDT, que desde o inicio da atual mandato tem se postado como oposição a atual gestão municipal, em Amambai.

Com o fim das coligações proporcionais para cargos legislativos, a “dança das cadeiras” proporcionada pela janela partidária também praticamente decretou a morte de vários pequenos partidos no município.

Fonte: A Gazetanews