24/06/2019 14:54

Turma do STF retira de pauta pedido de suspeição de Moro; defesa de Lula solicita prioridade para o caso

Na ação, que poderá colocar Lula em liberdade, defesa alega que Moro agiu com parcialidade ao julgar o ex-presidente. Caso estava na pauta do colegiado para esta terça-feira.

A presidente da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, retirou de pauta nesta segunda-feira (24) um pedido de liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Na peça, a defesa aponta a suspeição do ex-juiz e atual ministro da Justiça Sergio Moro no caso do tríplex no Guarujá.

O pedido, um habeas corpus, estava na pauta do colegiado desta terça-feira (25). Como presidente, é Cármen quem comanda o calendário de julgamento da Turma.

Também nesta segunda, a defesa de Lula pediu ao Supremo que dê prioridade à análise do habeas corpus. Os advogados alegaram que Lula é idoso e já está preso há 443 dias.

"O habeas corpus e as causas criminais com réu preso tem prioridade no julgamento com relação a outros processos", afirmam os advogados. "Ademais [...], dar-se-á prioridade na tramitação dos processos e procedimentos em que figure como parte pessoa idosa", diz outro trecho da peça judicial.

A ministra Cármen Lúcia em imagem do início do julgamento do pedido de liberdade de Lula na 2ª Turma do STF, em dezembro de 2018 — Foto: Nelson Jr./SCO/STF
A ministra Cármen Lúcia em imagem do início do julgamento do pedido de liberdade de Lula na 2ª Turma do STF, em dezembro de 2018 — Foto: Nelson Jr./SCO/STF

A ministra Cármen Lúcia em imagem do início do julgamento do pedido de liberdade de Lula na 2ª Turma do STF, em dezembro de 2018 — Foto: Nelson Jr./SCO/STF

O pedido de liberdade foi apresentado pela defesa em 2018. O caso começou a ser julgado no ano passado, e dois ministros da Segunda Turma já votaram contra conceder liberdade a Lula: Luiz Edson Fachin e Cármen Lúcia.

Terceiro a votar na ocasião, o ministro Gilmar Mendes pediu vista, ou seja, mais tempo para analisar o caso. Gilmar liberou o caso para julgamento no último dia 10. Além do ministro, deverão votar Ricardo Lewandowski e Celso de Mello.

O pedido da defesa de Lula é endereçado a Cármen Lúcia. Caberá a ela a decisão de incluir novamente o habeas corpus de Lula na pauta do colegiado.

Fonte: G 1