12/03/2020 11:26

Após 18 dias de buscas, polícia prende Luiz Paraguaio, acusado de matar Dirceu Lanzarini

Homem de 54 anos estava escondido na mata e se entregou após negociação da defesa com a polícia, informou delegado.

Vilson Nascimento

Após 18 dias de buscas ininterruptas, a Polícia Civil prendeu na manhã dessa quinta-feira, 12 de março, Luiz Fernandez, o “Luiz Paraguaio”, de 54 anos, acusado de matar o ex-prefeito de Amambai, Dirceu Luiz Lanzarini.

Dirceu Lanzarini, que era produtor rural e atualmente ocupava o cargo de assessor especial do gabinete de gestão política do Governo do Estado, em Mato Grosso do Sul, morreu em um hospital na cidade de Dourados após ser ferido com um tiro na cabeça disparado por Luiz Paraguaio quando estava sentado do lado do carona de sua caminhonete, fato ocorrido na manhã do dia 24 de fevereiro em uma das fazendas do ex-prefeito.

Momento que a Polícia Civil chegava com Luiz Fernandez, o “Luiz Paraguaio”, no hospital para a realização do exame de corpo de delito. Ele foi preso na manhã dessa quinta-feira após ficar por 18 dias foragido. (Fotos: Vilson Nascimento e Divulgação)

Na ocasião, o genro de Dirceu Lanzarini, que dirigia a caminhonete, uma S-10 de cor prata, foi ferido no braço, com a munição vindo a transfixar e também ferir o pescoço do rapaz.

Mesmo ferido o genro de Dirceu acelerou a caminhonete e Luiz Paraguaio, que teria usado um revólver calibre 38 para praticar o crime, teria ainda efetuado outros quatro disparos que atingiram o veículo.

Logo após o crime Luiz Paraguaio fugiu. Ele foi indiciado pelo delegado encarregado pelas investigações do caso, Dr. Marcos Werneck, pelos crimes de homicídio qualificado pelo recurso que torna impossível a defesa da vítima, no caso do assassinato de Dirceu Lanzarini e tentativa de homicídio qualificado pelo recurso que torna impossível a defesa no caso do genro do ex-prefeito, Kesley Aparecido Vieira Matriocardi, de 33 anos, que levou um tiro no chamado “trajeto em chuleio” (quando a mesma munição transfixa e provoca dois ferimentos na vítima), além de porte de arma de fogo de uso restrito, tendo em vista que na casa em que Luiz Paraguaio morava foram encontradas munições calibre 38 de origem estrangeira.

A justiça brasileira atendeu a representação do delegado Dr. Marcos Werneck e decretou pela prisão preventiva de Luiz Paraguaio.

Em atenção ao pedido de apoio das autoridades brasileiras, o ministério público daquele país expediu ordem de captura e Luiz Paraguaio passou a ser procurado também no Paraguai.

A prisão

Luiz Paraguaio estaria escondido na mata desde a época do crime e se apresentou após uma ampla negociação o advogado de defesa e as autoridades, segundo a polícia.

De acordo com a Polícia Civil, Luiz Paraguaio foi preso em uma fazenda na mesma região onde aconteceu o atentado contra o ex-prefeito e o genro após uma ampla negociação envolvendo as forças de segurança e do acusado.

Ele, que segundo a polícia permaneceu escondido na mata desde o dia do crime, 24 de fevereiro, foi trazido para a Delegacia de Polícia Civil em Amambai por uma equipe do GPA (Grupamento Aéreo da Polícia Militar) da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul, e foi submetido a exame de corpo de delito ainda na manhã dessa quinta-feira em um hospital da cidade, posteriormente levado de volta à Delegacia para ser ouvido no inquérito que apura o caso.

Depois de ouvido, Luiz Paraguaio, que trabalhava com o ex-prefeito há pelo menos 10 anos, foi levado para o Estabelecimento Penal de Amambai onde permanecerá preso à disposição da Justiça.

Momento que a Polícia Civil chegava com Luiz Paraguaio no Estabelecimento Penal de Amambai onde ele permanecerá preso a disposição da Justiça.

Matéria atualizada às 13h15 para acréscimo de informações.

Fonte: A Gazetanews