09/08/2019 11:11

Projeto Mão de Obra Carcerária surpreende nos resultados em Amambai

Empresas que firmam parceria com a Agepen contam com uma série de benefícios

Raquel Fernandes

(Fotos: Raquel Fernandes)

Reeducandos do Estabelecimento Penal Masculino de Regime Semiaberto de Amambai têm surpreendido no empenho e comprometimento em empresas que firmam parceria para a utilização de mão de obra carcerária. Tal resultado tem contribuído com a diminuição do preconceito, que ainda é um dos grandes obstáculos do projeto.

O projeto Mão de Obra Carcerária, que é realizado em todo o estado, possibilita o trabalho digno ao reeducando o motivando a se inserir novamente na sociedade, de forma honesta e digna.  Em Amambai, a empresa Embrasil abraçou o projeto no primeiro semestre deste ano. Hoje, a empresa conta com quatro funcionários do regime semiaberto.

Há dois meses, a Cooperativa Agroindustrial Amambai- Coopersa também firmou um convênio com a Agepen e contratou o amambaiense, Lourival Maria Filho, que é um dos custodiados do regime semiaberto. Segundo a gerente comercial da Cooperativa, Simone Marsaro, o desempenho do colaborador tem se destacado na empresa.

“Nós estamos muito contentes com este projeto. O Lorival é um excelente funcionário, proativo. Mostra que tem muita força de vontade e isso também tem contagiado toda a equipe. E nós vemos o quanto ele se sente valorizado por isso”, conta Simone.

Lorival, de 30 anos, é casado e pai de quatro filhos. Ele conta que é muito grato pela oportunidade. “Eu estou sendo tratado super bem por todos aqui. Quem busca a ressocialização e não tem uma oportunidade dessa, pode acabar cometendo outros crimes. Essa oportunidade é um futuro”, afirma.

De acordo com diretor do presídio Semiaberto de Amambai, Vanderlei Alberto Hermann, o setor de disciplina e segurança do Estabelecimento Penal seleciona os internos a serem encaminhados às empresas de acordo com o perfil solicitado. Se o interno não render, outro reeducando é enviado à conveniada.

“Esses convênios estão trazendo de volta ao reeducando a auto-estima e valorização pelo trabalho digno, pois o interno volta ao convívio social; o trabalho vem para humanizar. (...) eles se sentem valorizados com uma nova oportunidade de trabalho”, ressalta o diretor Hermann.

Benefícios 

De acordo com diretor do presídio Semiaberto de Amambai, Vandelei Hermann, as empresas conveniadas têm uma economia de cerca de 50 por cento das despesas com encargos sociais e trabalhistas, pois não tem a incidência de encargos como o pagamento de FGTS, Aviso Prévio Indenizado, 13º Salário, Licença Paternidade, Férias + 1/3 e contribuição previdenciária facultativa. 

As empresas e instituições conveniadas recebem o Selo Resgata, que é uma certificação concedida pelo Ministério da Justiça a fim de proporcionar visibilidade nacional e marketing social.

No estado do MS, mais de 190 empresas privadas e instituições públicas possuem convênio com a Agepen na ocupação do trabalho prisional. Em Amambai, o regime semiaberto conta com 54 detentos, sendo que sete já exercem o trabalho nas empresas conveniadas.

As empresas que estão dispostas a firmar o convênio com a Agepen devem procurar a unidade do Semiaberto de Amambai, ou ligar nos telefones (67) 3903-1704/1703. A direção irá até a empresa interessada.

 

Fonte: Raquel Fernandes / Grupo A Gazeta