15/06/2019 15:56

Prédios públicos são alvos de pichadores em Amambai

Vandalismo foi registrado em edificação em construção na Praça Orlando Viol e na Escola Antônio Pinto, UEMS e até veículo de igreja.

A fachada da obra em conclusão do prédio do Mercado Municipal foi um dos alvos dos pichadores. (Fotos: Divulgação)

Vilson Nascimento

Vândalos agindo possivelmente na calada da noite picharam pelo menos duas instalações públicas nesse final de semana, em Amambai.

As pichações foram registradas na parte superior da obra em fase de construção do Centro de Comercialização da Agricultura Familiar, também chamado de “Mercado Municipal”, situando na Praça Orlando Viol, região central da cidade e na Escola Municipal Antônio Pinto da Silva, região da Vila Pimentel.

Pichação na Escola Municipal Antônio Pinto da Silva.

Um ato semelhante já havia sido registrado em fevereiro deste ano (2019) quando painéis recém-pintados na parede do Ginásio de Esportes Flávio Derzi, situando ao lado da Praça Orlando Viol, também foram pichados.

Pela semelhança dos traços registrados na época e neste final de semana, não se descarta que o ato de vandalismo tenha sido praticado pela mesma pessoa ou mesmas pessoas.

Por meio de redes sociais, o prefeito de Amambai, Dr. Edinaldo Bandeira, lamentou o ocorrido e fez um desabafo; “O que esperar de pessoas que destroem um patrimônio público antes mesmo de sua inauguração??? É dinheiro público sendo jogado no lixo. Conto com a ajuda da população para identificarmos esses criminosos”, escreveu ele.

Outras localidades

Também existem pichações com traços semelhantes na caixa d’água da unidade da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) em Amambai e essa semana um ônibus da igreja evangélica Assembleia de Deus Missões também foi pichado pelos criminosos.

Pichação em painel recém-pintado do Ginásio de Esportes Flávio Derzi em fevereiro deste ano.

Praticar pichação é crime

Praticar pichação é crime previsto no artigo 65 da Lei 9.605 de 12 de fevereiro de 1998 que trata sobre “crimes ambientais” no País.

Segundo o artigo, “Pichar ou por outro meio conspurcar edificação ou monumento urbano” acarreta em pena de detenção de 3 (três) meses a 1 (um) ano e mais o pagamento de multa.

Um ônibus da Igreja Assembleia de Deus Missões também foi alvo dos criminosos. 

Matéria atualizada às 16h27 para acréscimo de informações.

Fonte: A Gazetanews