06/06/2019 12:30

Polícia Militar Ambiental passa a atuar em sede própria em Amambai

Mudança para base definitiva, na saída para Caarapó ocorreu na semana passada. Alerta é para obras na pista em frente a sede do 2º GPMA.

(D/e) o comandante da PMA e Amambai, sargento Estigarribia, o presidente do COMCISP, Dr. Adrian Dyego, o sargento Siqueira Dias e o cabo Handerson, integrantes da equipe do 2º GPMA, em Amambai. Parcerias garantiram a conquista da unidade policial para Amambai. (Fotos: Vilson Nascimento)

Vilson Nascimento

A Polícia Militar Ambiental (PMA) já está atuando em sua sede própria, às margens da Rodovia MS-156, trecho que liga Amambai a Caarapó, a cerca de três quilômetros da cidade, em Amambai.

A mudança do 2º Grupamento de Polícia Militar Ambiental (2º GPMA), que antes funcionava em uma residência alugada na Rua da República, próximo ao Terminal Rodoviário Antônio Delgado, região central da cidade, para a base própria ocorreu na semana passada.

O alerta pra quem trafega no trecho da MS-156 entre Amambai e Caarapó é para obras na pista. Nessa terça-feira, 4 de junho, a Agesul (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos) do Governo do Estado, deu início à construção de redutores de velocidade em frente ao novo aquartelamento da PMA.

A rodovia, na frente do 2º GPMA vai receber sinalização específica e redutores de velocidade. Obras começaram nessa terça-feira (4) e motoristas devem ficarem atentos e reduzir a velocidade ao passarem pelo local.

A conquista da sede própria 

A sede própria do 2º GPMA, que atende além de Amambai, os municípios de Laguna Carapã, Paranhos, Coronel Sapucaia, Aral Moreira e parte do município de Ponta Porã é fruto de empenho e parcerias envolvendo a Prefeitura de Amambai, o Ministério Público Estadual (MPE), a Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário de Mato Grosso do Sul) por meio da direção da PAM (Penitenciária de Amambai) e o COMCISP (Conselho Municipal de Cidadania e Segurança Pública) do município.

A Prefeitura de Amambai entrou com a cedência da área de três hectares e a disponibilização de R$ 100 mil para a aquisição de material de construção, divididos em dez parcelas de R$ 10 mil para construir o aquartelamento.

O Ministério Público, por sua vez, firmou TACs (Termo de Ajustamento de Conduta) no campo ambiental, onde os valores arrecadados foram repassados ao COMCISP para a contratação de mão de obra especializada, no caso mestre de obra com equipamentos e a Agepen, através da PAM entrou com apoio cedendo detentos que trabalharam em troca de redução da pena.

Segundo o presidente do COMCISP, o advogado Dr. Adrian Dyego, nessa primeira etapa, além do barracão pré-moldado, foram construídos alojamento e refeitório, por exemplo, e agora, em uma segunda etapa, será construído setor administrativo da corporação e implantada melhorias no pátio da unidade policial, como a implantação de muro e cerca, entre outros serviços.

Fachada da sede própria do 2º Grupamento de Polícia Militar Ambiental. Mesmo faltando a construção da parte administrativa, corporação passou a atender de sua unidade própria desde a semana passada

De acordo com o presidente, a mudança do 2º SGPMA para a sede própria antes mesmo de o projeto está cem por cento construído visou economizar com aluguel, luz, água, internet e telefone, que juntos giravam em torno de R$ 1,5 mil por mês, gastos estes que são custeados pelo COMCISP.

Com a mudança para a sede própria os gastos com telefone, energia e internet, já que a água virá de poço artesiano já construído, passarão a ser custeados pelo Governo do Estado.

Segundo o comandante do 2º GPMA, sargento Jeferson Estigarribia partir da mudança, a PMA passou a manter policiais permanentemente na sede do aquartelamento.

De acordo com o comandante, na rodovia, em frente ao GPMA, serão implantadas placas de sinalização e redutores de velocidade, já que o local também será utilizado para a abordagens esporádicas e averiguação de veículos que trafegam pela rodovia.

COMCISP busca apoio da sociedade

Segundo o presidente do Conselho Municipal de Cidadania e Segurança Pública em Amambai, Adrian Dyego, o COMCISP ainda precisa de recursos e ações voluntárias para a contratação de mão de obras de obra especializada como mestre de obras, por exemplo, e para isso espera contar com o apoio da sociedade amambaiense.

Os telefones para contado são o (67) 99954-1171, com o presidente do COMCISP, Dr. Adrian Dyego ou no (67) 99987-8939, este último é o celular funcional da PMA, em Amambai.

Fonte: A Gazetanews