02/02/2020 12:06

Do medo de envelhecer à oportunidade de viver mais e melhor: dicas para a longevidade

De repente 30! Quem aí já passou por essa?

A vida é realmente uma correria até completarmos 30 anos. Estudo trabalho, descobertas e a pressão por construirmos uma vida profissional. Mas e depois dos 30? Ah, aí é que surgem mais tarefas e compromissos e pressões. Mas calma, hoje temos umas dicas aqui que vão te fazer repensar sobre isso. 

Equilibrar seu estilo de vida com seus anseios profissionais é uma característica que vem se destacando no novo perfil de empreendedores. A busca por qualidade de vida alinhada com a necessidade econômica, familiar e social garante que a vida seja significativa e gerencial, sugerindo maior motivação para o trabalho e longevidade. 

Estamos envelhecendo e a longevidade humana é um desafio contemporâneo. As pessoas estão vivendo mais de sessenta anos, e é preciso alinhar as necessidades destes com os das novas gerações. 

O fato é que cientistas já provaram que superaremos a expectativa de vida dos nossos pais e nossos filhos vão superar a nossa e precisamos nos preparar para isso.

Os estudiosos da área ensinam que para vencer esse estigma de ficar velho e se manter “na ativa”, independente da idade cronológica, devemos ter uma agenda vital de decisões e de tempos em tempos revisa-la e reprograma-la nas seguintes áreas:

  • Prazer por aprender o diferente, isso nos fará sentir vivos, é uma atitude positiva frente a necessidade dos novos aprendizados, de novas transformações, acompanhando a modernidade de um mundo criativo.

 

  • Reinventar-nos em diferentes segmentos de nossas vidas. Isso significa que não podemos esperar viver da mesma maneira ao longo de toda nossa vida, mas sim que temos que acompanhar a evolução e nos adaptar.

 

  • Planejamento financeiro para uma velhice tranquila porque, por mais que tentamos acompanhar as mudanças no mercado de trabalho, é fato que os mais jovens irão tomar a frente e ficaremos ultrapassados. Não podemos depender apenas dos órgãos públicos de previdência, que já estão saturados, temos que ter nossas economias, nossos investimentos, temos que nos manter de forma independente e isso exige organização.

Após essa reflexão percebemos que a melhor maneira de envelhecer é acompanhar as evoluções e não ser resistentes a elas, temos que manter-nos ativos, físico e o psíquico e não acomodar, enxergar com novos olhos a modernidade e organização financeira para uma velhice tranquila.

Como você está encarando a ideia de envelhecer? Tem sido um peso para você ou está se programando para isso?

Precisamos entender os sinais que nosso corpo nos dá. Rotinas de exercícios físicos, exames laboratoriais são ferramentas que nos ajudam a entender nossas necessidades. É preciso respeitar nossa individualidade. Mas vamos falar sobre individualidade daqui a pouco. 

Por enquanto, comece repensando como será você na “terceira idade?”. 

Ana Dellai (e) é empreendedora, especialista em indicadores de desempenho, sócia na Essência Fit Suplementos de Amambai-MS e professora de Gestão de Negócios e Agronegócio. Ariane Alexandrino Dembogurski é Médica, Cirurgiã Geral, Oncologista, Ortomolecular e  Nutróloga. Foto: Divulgação

Fonte: Ana Dellai e Ariane Alexandrino Dembogurski