23/11/2021 12:09

Estoques da indústria atingem nível planejado após quase dois anos, mostra CNI

Is allowance instantly strangers applauded

A Sondagem Industrial de outubro mostra desaquecimento da indústria. A pesquisa da Confederação Nacional Indústria (CNI) aponta para produção industrial estável, pequeno recuo da utilização da capacidade e redução no ritmo de crescimento do emprego. Os estoques, por sua vez, voltaram ao nível planejado pelos empresários. Foram entrevistadas 1.907 empresas, sendo 760 pequeno porte, 672 médio porte e 475 de grande porte entre 3 a 12 de novembro de 2021.

O índice de evolução do nível de estoques foi a 50,5 pontos em outubro. Esse resultado é 5 pontos acima do registrado em outubro de 2020. Esse indicador varia de 0 a 100, sendo que 50 pontos é a linha de corte que separa crescimento e queda dos estoques em relação ao mês anterior.

De acordo com o gerente de Análise Industrial, Marcelo Azevedo, esse resultado rompeu a sequência de 22 meses em que os estoques efetivos estavam abaixo do planejado, o que vinha acontecendo desde dezembro de 2019. Na comparação com outubro de 2020, momento crítico da falta de estoques no ano passado, o índice mostra aumento de 6,7 pontos. “A recuperação de estoques pode ser um alento para o empresário, pois reduz a pressão sobre a compra de insumos”, explica o economista.

Produção industrial fica estável e emprego cresce em ritmo menor

A produção industrial ficou estável na passagem de setembro para outubro. O índice de evolução da produção registrado no mês foi de 50,1 pontos. É o segundo mês consecutivo de estabilidade da produção, após quatro meses consecutivos de alta.

O emprego industrial continuou crescendo, mas em ritmo bem mais moderado que nos meses anteriores. O índice de evolução do número de empregados alcançou 50,4 pontos. O índice manteve-se acima dos 50 pontos e ainda mostra alta do emprego em relação ao mês anterior. Entretanto, ao se aproximar da linha divisória, o índice mostra que a alta do emprego está mais restrita e menos intensa que nos meses anteriores. No último ano, o indicador permaneceu acima dos 50 pontos em todos os meses analisados, exceto em abril, quando o índice alcançou exatamente 50 pontos.

 

Fonte: Assessoria Fiems