22/07/2022 13:00

Rússia e Ucrânia assinam acordo para reabrir portos ucranianos no Mar Negro

Desde invasão da Ucrânia, o país chefiado por Voldoymyr Zelensky enfrenta obstáculos para exportar grãos, em razão do bloqueio de portos

Is allowance instantly strangers applauded

Rússia e Ucrânia assinaram, nesta sexta-feira (22), um acordo para reabrir os portos ucranianos no Mar Negro para exportação de grãos.

Os ministros do governo da Rússia e da Ucrânia assinaram o acordo separadamente, evitando cuidadosamente sentar à mesma mesa e evitando apertar as mãos no evento em Istambul, na Turquia.

“Hoje, há um farol no Mar Negro. Um farol de esperança, de possibilidade e alívio em um mundo que precisa mais do que nunca”, disse Antonio Guterres, Secretário-geral da Organização das Nações Unidas, em uma cerimônia de assinatura, pedindo à Rússia e à Ucrânia que implementem o acordo.

Guterres disse que o acordo abre caminho para volumes significativos de exportações comerciais de alimentos de três importantes portos ucranianos – Odessa, Chernomorsk e Yuzhny, e a ONU estabeleceria um centro de coordenação para monitorar a implementação do acordo.

Mas a luta continuou inabalável no leste da Ucrânia e, sublinhando a profunda inimizade e desconfiança que conduzem ao pior conflito na Europa desde a Segunda Guerra Mundial, representantes russos e ucranianos se recusaram a sentar à mesma mesa na cerimônia, e a exibição dos dois países sinalizadores foram ajustados para que não estivessem mais próximos um do outro.

“Em caso de provocações, (haverá) uma resposta militar imediata” por parte da Ucrânia, twittou Mykhailo Podolyak.

Rússia e Ucrânia, ambas entre os maiores exportadores de alimentos do mundo, enviaram seus ministros da Defesa e da Infraestrutura, respectivamente, a Istambul para a cerimônia de assinatura, que também contou com a presença de Guterres e do presidente turco, Tayyip Erdogan.

Um bloqueio de portos ucranianos pela frota russa do Mar Negro, prendendo dezenas de milhões de toneladas de grãos em silos e encalhando muitos navios, agravou os gargalos da cadeia de suprimentos global e, juntamente com amplas sanções ocidentais, alimentou a inflação galopante nos preços de alimentos e energia em todo o mundo.

Moscou negou a responsabilidade pelo agravamento da crise alimentar, culpando as sanções ocidentais por desacelerar suas próprias exportações de alimentos e fertilizantes e a Ucrânia por minerar as proximidades de seus portos do Mar Negro.

Autoridades da ONU informaram a repórteres na sexta-feira que o acordo deve estar totalmente operacional em algumas semanas.

A passagem segura para dentro e para fora do porto seria garantida no que um funcionário chamou de “cessar-fogo portuário de fato” para os navios e instalações cobertos, disseram eles, embora a palavra “cessar-fogo” não estivesse no texto do acordo.

Embora a Ucrânia tenha minerado áreas próximas ao mar como parte de suas defesas contra a invasão russa de cinco meses, os pilotos ucranianos guiariam os navios por canais seguros em suas águas territoriais, disseram eles.

Monitorados por um Centro de Coordenação Conjunta com sede em Istambul, os navios transitariam pelo Mar Negro até o estreito de Bósforo na Turquia e seguiriam para os mercados mundiais, disse a ONU. disseram funcionários.

O acordo será válido por 120 dias, mas renovável e não deve ser interrompido tão cedo.

“O fato de duas partes em guerra – e ainda muito em guerra – terem conseguido negociar um acordo desse tipo, eu acho que é sem precedentes”, disse oficial.

Outro disse que um pacto separado assinado na sexta-feira facilitaria as exportações russas de alimentos e fertilizantes e que as Nações Unidas e os EUA saudaram os esclarecimentos da União Européia de que suas sanções não se aplicariam a tais remessas.

Para abordar as preocupações russas sobre navios contrabandeando armas para a Ucrânia, todos os navios que retornam serão inspecionados em um porto turco por representantes de todas as partes e supervisionados pelo JCC.

O objetivo geral é ajudar a prevenir a fome entre dezenas de milhões de pessoas em países mais pobres, injetando mais trigo, óleo de girassol, fertilizantes e outros produtos nos mercados mundiais, inclusive para necessidades humanitárias, em parte a preços mais baixos.

Os Estados Unidos saudaram o acordo e disseram que estão se concentrando em responsabilizar a Rússia por implementá-lo.

A Turquia, um membro da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) que tem boas relações com a Rússia e a Ucrânia, controla os estreitos que levam ao Mar Negro e atuou como mediador na questão dos grãos.

Fonte: cnn