26/06/2022 15:02

Maldivas quer lançar cidade flutuante para fugir da elevação do nível do mar

Projetada em padrão semelhante a um coral, cidade deve ser totalmente concluída até 2027 e terá capacidade de abrigar até 20.000 pessoas

Is allowance instantly strangers applauded
Projeto de cidade flutuante em Maldivas, uma das nações mais vulneráveis às mudanças climáticas e aumento do nível do mar

Uma cidade está subindo das águas do Oceano Índico. Em uma lagoa azul-turquesa, a apenas 10 minutos de barco de Male, capital das Maldivas, uma cidade flutuante, grande o suficiente para abrigar 20.000 pessoas, está sendo construída.

Projetada em um padrão semelhante aos chamados corais-cérebro, a cidade consistirá em 5.000 unidades flutuantes, incluindo casas, restaurantes, lojas e escolas, com canais no meio.

As primeiras unidades serão inauguradas neste mês, com moradores começando a se mudar no início de 2024. Toda a cidade deve ser concluída até 2027.

O projeto – uma joint venture entre o promotor imobiliário Dutch Docklands e o governo das Maldivas – não pretende ser um experimento selvagem ou uma visão futurista: está sendo construído como uma solução prática para a dura realidade do aumento do nível do mar.

Arquipélago de 1.190 ilhas baixas, as Maldivas são uma das nações mais vulneráveis ​​do mundo às mudanças climáticas. Cerca de 80% de sua área em terra está a menos de 1 metro acima do nível do mar, e, com níveis projetados para subir até 1 metro até o final do século, quase todo o país poderá ficar submerso.

Mas, se uma cidade flutua, pode subir junto do mar. Esta é uma “nova esperança” para os mais de meio milhão de habitantes das Maldivas, disse Koen Olthuis, fundador do Waterstudio, o escritório de arquitetura que projetou a cidade.

“Isso pode provar que há moradias acessíveis, grandes comunidades e cidades normais à beira-mar que também são seguras. Os maldivos passarão de refugiados climáticos a inovadores climáticos”, disse ele à CNN.

Hub de arquitetura flutuante

Nascido e criado na Holanda – onde cerca de um terço da terra fica abaixo do nível do mar – Olthuis esteve perto da água durante toda a sua vida.

O lado materno da família era construtor de navios e seu pai vem de uma linha de arquitetos e engenheiros, então parecia natural combinar os dois. Em 2003, Olthuis fundou o Waterstudio, um escritório de arquitetura dedicado inteiramente à construção sobre a água.

Naquela época, os sinais de mudança climática estavam presentes, mas não eram considerados um problema grande o suficiente para construir uma empresa em torno disso, relembra ele.

O maior problema, então, era o espaço: as cidades estavam se expandindo, mas os terrenos adequados para o novo desenvolvimento urbano estavam se esgotando.

No entanto, nos últimos anos, a mudança climática tornou-se “um catalisador”, levando a arquitetura flutuante para o mainstream. Nas últimas duas décadas, a Waterstudio projetou mais de 300 casas flutuantes, escritórios, escolas e centros de saúde em todo o mundo.

A Holanda se tornou um centro para o movimento, abrigando parques flutuantes, uma fazenda de laticínios flutuante e um prédio de escritórios flutuante, que serve como sede do Centro Global de Adaptação (GCA, na sigla em inglês), uma organização focada em dimensionar soluções de adaptação climática.

Patrick Verkooijen, CEO da GCA, vê a arquitetura flutuante como uma solução prática e economicamente inteligente para o aumento do nível do mar.

“O custo de não se adaptar a esses riscos de inundação é extraordinário”, disse ele à CNN.

“Temos uma escolha a fazer: ou atrasamos e pagamos, ou planejamos e prosperamos. Escritórios flutuantes e prédios flutuantes fazem parte desse planejamento contra o clima do futuro.”

No ano passado, as inundações custaram à economia global mais de US$ 82 bilhões, segundo a agência de resseguros Swiss Re, e, à medida que as mudanças climáticas provocam condições climáticas mais extremas, espera-se que os custos aumentem.

Um relatório do World Resources Institute prevê que, até 2030, propriedades urbanas no valor de mais de US$ 700 bilhões serão impactadas anualmente por inundações costeiras e ribeirinhas.

Mas, apesar do impulso nos últimos anos, a arquitetura flutuante ainda tem um longo caminho a percorrer em termos de escala e acessibilidade, disse Verkooijen.

“Esse é o próximo passo nesta jornada: como podemos crescer e, ao mesmo tempo, como podemos acelerar? Há uma urgência por escala e velocidade.”

Uma cidade normal, apenas flutuando

O projeto Maldivas visa alcançar ambos, construindo uma cidade para 20.000 pessoas em menos de cinco anos. Outros planos para cidades flutuantes foram lançados, como Oceanix City em Busan, na Coreia do Sul, e uma série de ilhas flutuantes no Mar Báltico desenvolvidas pela empresa holandesa Blue21, mas nenhuma compete com essa escala e prazo.

A cidade de Waterstudio foi projetada para atrair a população local com suas casas nas cores do arco-íris, amplas varandas e vista para o mar. Os moradores vão se locomover em barcos, ou podem caminhar, andar de bicicleta ou dirigir patinetes elétricos e buggies pelas ruas de areia.

Oferece um espaço difícil de encontrar na capital – Male é uma das cidades mais populosas do mundo, com mais de 200.000 pessoas espremidas em uma área de cerca de oito quilômetros quadrados.

E os preços são competitivos com os de Hulhumalé (uma ilha artificial construída nas proximidades para facilitar a superlotação): a partir de US$ 150.000 para um estúdio ou US$ 250.000 para uma casa de família, disse Olthuis.

As unidades modulares são construídas em um estaleiro local e depois rebocadas para a cidade flutuante. Uma vez em posição, eles são presos a um grande casco de concreto subaquático, parafusado ao fundo do mar em palafitas telescópicas de aço que o deixam flutuar suavemente com as ondas.

Os recifes de corais que cercam a cidade ajudam a fornecer um quebra-ondas natural, estabilizando-o e evitando que os habitantes se sintam enjoados.

Olthuis disse que o potencial impacto ambiental da estrutura foi rigorosamente avaliado por especialistas locais em corais e aprovado pelas autoridades governamentais antes do início da construção.

Para apoiar a vida marinha, bancos de corais artificiais feitos de espuma de vidro são conectados à parte inferior da cidade, o que, segundo ele, ajuda a estimular o crescimento natural dos corais.

O objetivo é que a cidade seja autossuficiente e tenha todas as mesmas funções que uma em terra. Haverá eletricidade, alimentada predominantemente por energia solar gerada no local, e o esgoto será tratado localmente e reaproveitado como adubo para as plantas.

Como alternativa ao ar condicionado, a cidade usará o resfriamento do mar em águas profundas, que envolve o bombeamento de água fria do fundo do mar para a lagoa, ajudando a economizar energia.

Ao desenvolver uma cidade flutuante totalmente funcional nas Maldivas, Olthuis espera que esse tipo de arquitetura seja impulsionado para o próximo nível. Não será mais uma “arquitetura bizarra” encontrada em locais luxuosos encomendados pelos super-ricos, mas uma resposta às mudanças climáticas e à urbanização, que é prática e acessível, disse ele.

“Se eu, como arquiteto, quero fazer a diferença, temos que subir o nível – acima do mar e de trabalho”, disse ele.

Fonte: CNN BRASIL