21/05/2022 09:55

Nasa investiga problema misterioso na sonda Voyager 1, lançada em 1977

Voyager 1 continua a operar bem, apesar de sua idade avançada e distância de 23,3 bilhões de quilômetros da Terra

A sonda Voyager 1 ainda está explorando o espaço interestelar 45 anos após o lançamento, mas encontrou um problema que intriga a equipe da espaçonave na Terra.

A Voyager 1 continua a operar bem, apesar de sua idade avançada e distância de 23,3 bilhões de quilômetros da Terra. Ela pode receber e executar comandos enviados da Nasa, bem como coletar e enviar de volta dados científicos.

Mas as leituras do sistema de articulação e controle de atitude, que controlam a orientação da espaçonave no espaço, não combinam com o que a Voyager está realmente fazendo. O sistema de articulação e controle de atitude, ou AACS na sigla em inglês, garante que a antena de alto ganho da sonda permaneça apontada para a Terra para que a Voyager possa enviar dados de volta à Nasa.

Devido à localização interestelar da Voyager, leva 20 horas e 33 minutos para viajar de ida, então a chamada e resposta de uma mensagem entre a Nasa e a Voyager leva dois dias.

Até agora, a equipe da Voyager acredita que o AACS ainda está funcionando, mas as leituras de dados do instrumento parecem aleatórias ou impossíveis. Até o momento, o problema do sistema não desencadeou nada que possa colocar a espaçonave em “modo de segurança”, que é quando ocorrem apenas operações essenciais para que os engenheiros possam diagnosticar um problema que colocaria a espaçonave em risco.

E o sinal da Voyager está mais forte do que nunca, o que significa que a antena ainda está apontada para a Terra. A equipe está tentando determinar se esses dados incorretos estão vindo diretamente deste instrumento ou se outro sistema está causando o problema.

“Até que a natureza do problema seja melhor compreendida, a equipe não pode prever se isso pode afetar por quanto tempo a espaçonave pode coletar e transmitir dados científicos”, de acordo com um comunicado da Nasa.

“Um mistério como esse é uma espécie do curso nesta fase da missão Voyager”, disse Suzanne Dodd, gerente de projeto das Voyager 1 e 2 no Jet Propulsion Laboratory da Nasa em Pasadena, Califórnia, em um comunicado.

“As duas naves espaciais têm quase 45 anos, o que está muito além do que os planejadores da missão anteciparam. Também estamos no espaço interestelar – um ambiente de alta radiação que nenhuma nave espacial voou antes. Portanto, existem alguns grandes desafios para o time de engenharia. Mas acho que se houver uma maneira de resolver esse problema com o AACS, nossa equipe a encontrará”.

Se a equipe não determinar a origem do problema, ela pode simplesmente se adaptar a ele, disse Dodd. Ou, se conseguirem encontrá-lo, o problema pode ser resolvido fazendo uma alteração no software ou confiando em um sistema de hardware redundante.

A Voyager já confiou em sistemas de backup para durar tanto quanto durou. Em 2017, a sonda disparou propulsores que foram usados ​​durante seus encontros planetários iniciais durante a década de 1970 – e eles ainda funcionaram depois de permanecerem sem uso por 37 anos.

As sondas antigas produzem muito pouca energia por ano, então subsistemas e aquecedores foram desligados ao longo dos anos para que sistemas críticos e instrumentos científicos possam continuar operando.

A Voyager 2, uma espaçonave gêmea, continua a operar bem no espaço interestelar a 19,5 bilhões de quilômetros da Terra. Em comparação, Netuno, o planeta mais distante da Terra, está, no máximo, a apenas 2,9 bilhões de quilômetros de distância. Ambas as sondas foram lançadas em 1977 e excederam em muito seu propósito original de voar por planetas.

Agora, eles se tornaram as duas únicas espaçonaves a coletar dados do espaço interestelar e fornecer informações sobre a heliosfera, ou a bolha criada pelo sol que se estende além dos planetas em nosso sistema solar.

 

Fonte: CNN BRASIL