21/10/2020 06:14

Nasa pousa em asteroide que pode ser ameaça para a Terra

Is allowance instantly strangers applauded
Na missão, foi realizada uma manobra chamada TAG, sigla para 'Touch-and-Go', em que a sonda rapidamente pousa e decola com poucos segundos de intervalo

A Nasa informou na noite desta terça-feira (20/10) que dados enviados do espaço indicam que a sonda Osiris-Rex conseguiu coletar com sucesso amostras do asteroide Bennu.

"Dados preliminares mostram que a missão de hoje para coleta de amostras ocorreu como planejado", escreveu a agência espacial no Twitter.

A missão foi considerada uma operação de "engenharia complexa".

Conhecido desde 1999, o Bennu contém material do início do Sistema Solar e pode ter moléculas orgânicas portadoras de carbono, ingredientes essenciais para a vida na Terra, assim como minerais contendo ou formados por água. Os pesquisadores acreditam que corpos celestes como Bennu podem ter semeado a Terra com os químicos necessários para a vida.

Por isso, a coleta de seu material tem grande importância para a comunidade científica.

Ilustração mostra que Bennu é maior que Torre Eiffel e Empire State

Na missão desta terça-feira, foi realizada uma manobra chamada TAG, sigla para "Touch-and-Go", em que a nave rapidamente aterrissa e decola com poucos segundos de intervalo — neste caso, o necessário para coletar através de um braço mecânico uma amostra pelo menos 60 gramas, o objetivo da missão.

A missão deve trazer de volta à Terra a maior amostra extraterrestre desde que astronautas da missão Apollo coletaram rochas da Lua, há 50 anos.

A Osiris-Rex, com tamanho comparável a uma van para 15 passageiros, está orbitando Bennu desde 2018, a 200 milhões de milhas (321 milhões de quilômetros) da Terra.

Imagem do Bennu no meio do espaço, com aparência de rocha e cor cinza
O Bennu contém material do início do Sistema Solar e pode ter também precursores moleculares da vida e dos Oceanos terrestres.

Já o Bennu tem a altura do prédio Empire State, em Nova York, e tem o potencial de atingir a Terra no século 22, por volta do ano 2135 — segundo a Nasa, com uma pequena chance de 1 em 2.700. Ele possivelmente carrega materiais orgânicos, carbonatos, silicatos e água absorvida que podem ser muito úteis para investigações científicas na Terra.

Espera-se que, pela distância, as amostras só cheguem à Terra a partir de 2023.

 

Fonte: BBC Brasil