10/07/2020 12:08

Pesquisa do Procon MS mostra variações acima de 50% no preço de exames laboratoriais para Covid-19

Is allowance instantly strangers applauded

Para prevenir possíveis abusos no valor cobrado pelos laboratórios nos exames que detectam o novo coronavírus, e por conta também do aumentona procura nestes procedimentos, a  Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor – Procon/MS, órgão da Secretaria de Estado de  Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho – Sedhast,  realizou pesquisa de preços em laboratórios de análises clínicas.

A finalidade é informar o consumidor da possibilidade de gastando menos dinheiro nos procedimentos, quando realizados de maneira particular. Os dados apresentados são resultados dos levantamentos  foram realizados no período de 03 a 08 de Julho em envolvendo oito laboratórios.

A verificação levou em conta três  fatores: Proteína C Reativa (PCR), sorologia e teste rápido. A pesquisa detectou diferenças de 60% nos preços em relação ao exame de PCR a 87,50 % em relação à PCR. Neste caso, em um determinado laboratório o exame custa R$ 250,00, mas pode ser encontrado em outro por R$ 400,00.

Em relação à sorologia, a diferença de preços é um pouco menor,  52,17%. Mesmo assim é interessante que o consumidor  se  oriente por pesquisas  como forma de evitar  gastos excessivos quando necessitar  de tais exames.  Nesse caso, o valor cobrado varia de  R$ 230,00 a R$ 350,00, dependendo da clínica. A modalidade que apresentou valor maior foi o de teste rápido, 87,50%, e pode sair por R$ 160,00 até R$ 300,00.

Para melhor prestação de serviços, a equipe de pesquisa do Procon/MS verificou também o tempo necessário para entrega de resultados dos exames. No caso da PCR, varia de quatro a sete dias. Em relação a Sorologia, esse tempo varia de um a quatro dias e teste rápido o tempo para entrega vai de duas horas após a coleta a um dia útil. 

Dados pesquisa

Os laboratórios pesquisados foram Célula, Multilab, Biodiagnostic, Labclin, Novalab , Oswaldo Cruz,  Sabin e Ultralab.

Waldemar Hozano, Procon/MS
Foto:Arquivo Procon/MS

Fonte: Assessoria Governo do MS