27/05/2022 14:07

Especialistas se dividem entre otimismo e pessimismo com o mercado de criptomoedas

Bitcoin atingiu seu pico de US$ 69 mil em novembro de 2021, mas moeda perdeu mais da metade de seu valor desde então

Is allowance instantly strangers applauded
Houve vários painéis sobre criptomoedas e dinheiro digital em Davos este ano, sem mencionar uma série de fornecedores vinculados a criptomoedas ao longo do famoso calçadão da cidade

O ​​abismo cada vez mais profundo entre os entusiastas das criptomoedas e os pessimistas pode nunca ter sido tão gritante.

Na quarta-feira (25), Andreessen Horowitz, o grupo de capital de risco mais proeminente do Vale do Silício, fez uma aposta de US$ 4,5 bilhões no que chamou de “era de ouro” das criptomoedas, citando “uma onda massiva de talentos de classe mundial” que entrou na indústria no passado.

“É por isso que decidimos nos tornar grandes”, escreveu Chris Dixon, sócio-gerente da empresa.

No mesmo dia, um investidor outrora otimista ganhou as manchetes prevendo que o bitcoin poderia cair para US$ 8.000 em relação ao seu nível atual de cerca de US$ 30.000.

“O bitcoin e qualquer criptomoeda neste momento não se estabeleceu realmente como um investimento institucional confiável”, disse Scott Minerd, diretor de investimentos da Guggenheim Partners, à Bloomberg News no Fórum Econômico Mundial em Davos.

Isso é uma grande mudança desde fevereiro do ano passado, quando Minerd disse a Julia Chatterly, da CNN, que ele poderia ver o bitcoin, que na época estava sendo negociado em torno de US$ 40.000, eventualmente subir para “US$ 400.000 a US$ 600.000”.

O bitcoin atingiu seu pico de US$ 69.000 em novembro. A moeda perdeu mais da metade de seu valor desde então, já que os investidores abandonaram ativos mais arriscados diante do aumento das taxas de juros.

Apesar do acidente, houve vários painéis sobre criptomoedas e dinheiro digital em Davos este ano, sem mencionar uma série de fornecedores vinculados a criptomoedas ao longo do famoso calçadão da cidade. Mas as vozes do establishment na cúpula não perderam tempo depreciando a multidão da web3.

“Bitcoin pode ser chamado de moeda, mas não é dinheiro”, disse Kristalina Georgieva, diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), no primeiro dia do evento. “Não é uma reserva estável de valor.”

Então, para onde vamos a partir daqui?

É fácil observar a volatilidade do dia a dia das criptomoedas, bem como projetos marginais como Terra e Luna entrarem em uma “espiral da morte” e descartar a tecnologia e a filosofia blockchain que os sustentam. Mas os fiéis da criptomoeda dizem que, apesar de seus problemas, a criptomoeda não vai desaparecer.

Por um lado, de acordo com alguns especialistas, a criptomoeda precisa enfrentar seu problema de marca.

O termo criptomoeda pode ser enganoso, disse Marcus Sotiriou, analista da corretora de ativos digitais GlobalBlock.

“Noventa e nove por cento das criptomoedas não estão tentando ser moedas – elas estão tentando ser ativos por trás dessas redes blockchain”, disse ele. “E acho que é apenas uma questão de tempo até que todas as empresas integrem o blockchain de alguma forma.”

Os pedidos estão crescendo por uma regulamentação mais próxima, especialmente após o colapso do TerraUSD e sua moeda irmã, Luna, no início deste mês. Muitos defensores apoiam uma maior supervisão, em parte porque isso poderia ajudar as criptomoedas a ganhar credibilidade no mainstream.

Atualmente, existem cerca de 300 milhões de usuários de criptomoedas, e Sotiriou diz que o número está dobrando a cada ano – quase o dobro da taxa histórica de adoção da Internet.

“Mesmo que o sentimento seja muito, muito negativo no momento e tudo pareça desgraça e melancolia”, diz ele, “os fundamentos reais da criptomoeda não mudaram”.

Fonte: CNN BRASIL