12/01/2022 16:43

Dólar tem menor patamar em quase dois meses, após divulgação de dados da inflação nos EUA

Nesta quarta-feira (12), a moeda norte-americana recuou 0,78%, a R$ 5,5357.

Is allowance instantly strangers applauded

O dólar fechou em queda de 0,78%, cotado a R$ 5,5357, nesta quarta-feira (12), após dado de inflação nos Estados Unidos vir ligeiramente acima do estimado pelo mercado.

Foi a segunda queda consecutiva, no menor patamar em quase dois meses ante o real, com as operações locais novamente repercutindo o forte ajuste de baixa na moeda norte-americana no exterior, diante da percepção de que os Estados Unidos não serão mais agressivos no processo de normalização de sua política monetária do que o esperado.

Ao longo do dia, a cotação variou entre R$ 5,602 (+0,39%) e R$ 5,5292 (-0,91%). Com o resultado, a moeda norte-americana acumula recuo de 1,72% na semana e de 0,70% no ano. Veja mais cotações.

Contexto

Nos EUA, a inflação atingiu 7% no acumulado em 12 meses até dezembro, o maior avanço anual desde junho de 1982, o que pode reforçar as expectativas de que o Federal Reserve começará a elevar os juros já em março, como o esperado por parte dos analistas.

Na véspera, o presidente do Fed, Jerome Powell, disse ao Congresso norte-americano que a economia do país está pronta para o início do aperto da política monetária, mas não deu pistas sobre o momento de início do ciclo de alta de juros.

Na cena doméstica, aumentou a pressão em cima do Banco Central em relação ao aperto monetário após o resultado da inflação de dezembro ter vindo acima do esperado.

Atualmente, a taxa Selic está em 9,25% ao ano, maior patamar em mais de quatro anos. E a perspectiva do mercado é que ela termine o ano em 11,75% ao ano.

Segundo a agência Reuters, há, entre participantes do mercado, a percepção de que juros mais altos no Brasil podem beneficiar o real, uma vez que elevariam a rentabilidade do mercado de renda fixa doméstico, atraindo mais recursos para o país.

Mas uma Selic mais alta - que deve chegar aos dois dígitos já na próxima reunião de fevereiro do Comitê de Política Monetária (Copom) - também podem ter um custo elevado à atividade econômica brasileira, uma vez que tendem a frear os gastos do consumidor.

 

Fonte: G 1