20/02/2020 16:38

Dólar fecha a R$ 4,39 e renova patamar recorde

O dólar subiu nesta quinta-feira (20), encostando em R$ 4,40 e renovando o patamar recorde de fechamento, em meio à força da moeda norte-americana no exterior e à falta de perspectivas mais positivas para o real e a atividade econômica no cenário doméstico. A moeda norte-americana encerrou o dia vendida a R$ 4,3917, em alta de 0,61%, e marcou novo recorde nominal (sem considerar a inflação) de fechamento. Na máxima do dia, chegou a R$ 4,3982 – maior cotação intradia já registrada.

Já o dólar turismo foi negociado a R$ 4,5877, sem considerar a cobrança de IOF. Na parcial do mês, o dólar acumula alta de 2,49%. No ano, o avanço chega a 9,52%. "É mais do mesmo", disse à Reuters Italo Abucater, gerente de câmbio da Tullett Prebon, sobre o movimento desta sessão. "Já vinha um processo de apreciação da moeda (norte-americana) no cenário global. O internacional está todo ruim, e o real pode ter uns solavancos distorcidos um dia ou outro, trabalhando em linha com o exterior."

Segundo Abucater, o cenário doméstico também colaborava para a alta do dólar, com a falta de perspectiva de fluxo, o atraso das reformas econômicas e os juros baixos no Brasil reduzindo a atratividade do real. "Não temos juros, então não tem prêmio para os investidores. O Banco Central fala de encerramento de ciclo (no corte de juros), mas a atividade indica que será necessário mais um corte, e isso vai afetar dólar", acrescentou.

No exterior, o novo coronavírus da China seguiu sendo o principal ponto de atenção dos operadores e investidores, que -- apesar da queda nas novas infecções nesta quinta-feira -- reagiam à notícia de que cientistas alertaram que o patógeno pode se espalhar mais facilmente do que se pensava, agravando os temores sobre o impacto econômico da doença e gerando aversão a risco.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, reiterou nesta quinta-feira a avaliação de que o patamar do dólar deve ser mais alto, e afirmou que a economia passará a crescer 2% com as reformas, destaca a Reuters. Guedes minimizou riscos advindos da "turbulência internacional" e considerou que o Brasil vai "decolar" enquanto o mundo está enfraquecendo e a América Latina está "estagnada".

Em cerimônia de lançamento do Crédito Imobiliário com taxa fixa - com presença do presidente Jair Bolsonaro e do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto -, Guedes disse ainda que o crédito está chegando às camadas mais simples da população. Além das preocupações sobre o impacto do coronavírus na economia global, o dólar mais valorizado nas últimas semanas tem refletido os juros em mínimas históricas no Brasil e as perspectivas sobre o ritmo de crescimento da economia brasileira e andamento das reformas.

Diversas instituições financeiras têm revisado para baixo suas perspectivas para o crescimento econômico em 2020 na esteira da disseminação do novo coronavírus e da percepção de uma lentidão um pouco maior que o esperado no ritmo de crescimento neste início de ano. O mercado brasileiro reduziu para 2,23% a previsão a alta do PIB em 2020, segundo pesquisa Focus divulgada na segunda-feira, mas diversos bancos e consultorias já estimam um crescimento de, no máximo, 2%.

A redução sucessiva da Selic desde julho de 2019 também contribui para uma maior desvalorização do real ante o dólar. Isso porque diminuiu ainda mais o diferencial de juros entre Brasil e outros pares emergentes, o que pode tornar o investimento no país menos atrativo para estrangeiros e gerar um fluxo de saída de dólar.

Fonte: Fiems