15/06/2021 08:00

Entregadores ficam em evidência com aumento dos serviços delivery

Is allowance instantly strangers applauded
Fotos: Marmitaria Sal e Pimenta

Com as limitações e riscos causados pela pandemia, os serviços de entrega nas mais variadas áreas aumentaram de maneira significativa. Além do setor alimentício, lojas de roupas, calçados, materiais de construções entre outros produtos adotaram o sistema conhecido como delivery, o que deixa em evidência o trabalho do entregador.

O responsável pela franquia de entregas Bee Delivery, Emerson Paulo Rodrigues Santos, conta que em poucos meses de atuação em Amambai, a procura de empresas por entregadores triplicaram. “ Me surpreendi positivamente com a adesão do aplicativo em Amambai. As empresas perceberam que era algo que poderia contribuir nesse período. Temos empresas de todos os segmentos e todos os dias há mais procura.”, conta

O empresário Marlos Signori relatou que inseriu o serviço de pedidos via WhatsApp em seu supermercado no início da pandemia e hoje a demanda é muito grande. “Colocamos esse serviço ano passado, quando começou a pandemia. Hoje já não tem como parar mais. Tem um funcionário que fica exclusivamente para este serviço e mais  dois separando os produtos. É algo que facilita a vida dos clientes e das pessoas que estão isoladas por causa do vírus.. Entregamos em material descartável e sem contato com o entregador. Nunca tivemos um entregador com vírus até hoje” , informou.

A equipe de reportagem do Jornal A Gazeta conversou com alguns entregadores do município para conhecer um pouco dos desafios da profissão. Os riscos são diários, pois o trabalho exige muita atenção e agilidade no trânsito para dar conta da alta demanda de pedidos.

Kleiton Vinícius Lima dos Santos trabalha como entregador há dois anos e comenta sobre os riscos do trabalho. “Eu tenho a sorte de nunca ter sofrido nenhum acidente e sempre tomo muito cuidado, mas todos dias eu passo muito perto de um acidente.”, relata Kleiton, destacando também o prazer de poder contribuir com o seu trabalho durante a pandemia.

“É um prazer conversar com os clientes, ver o reconhecimento do nosso trabalho. Acho que ver que as pessoas ter empatia com a gente é o mais gratificante. Nós temos contato com muitas pessoas ao longo da noite e eu tenho a sorte de nunca ter contraído o vírus, pois sempre prezamos pelo cuidado, o uso de máscara, higienização com álcool. É necessário ter esse cuidado”, conta Kleiton com orgulho.

O entregador Fernando Jorge Santos está há sete meses realizando entregas de marmitas e marmitex no horário do almoço. Em média, ele faz 40 entregas por dia. 

“Muitos motoristas não respeitam os motociclistas. No trânsito você tem que procurar andar onde o movimento te permita evoluir bem como entregador”, comenta Fernando, complementando ainda que além do trânsito, outros desafios como cachorros que avançam ou dificuldade de encontrar os endereços também fazem parte do dia-a-dia da profissão. “Muitas residências não possuem números da grade ou no portão, o que dificulta muito as nossas entregas.”

Apesar dos desafios diários, Fernando estima muito a sua profissão. “ A parte boa é a liberdade de pode fazer o que eu gosto, com dedicação e responsabilidade sempre. Eu tenho 63 anos e piloto moto desde que tinha 13 anos."

Os empreendedores da marmitaria Sal e Pimenta, para qual Fernando também presta serviço, ressaltam que o entregador é um profissional fundamental nos dias atuais. “Nessa questão do delivery, não adianta termos uma cozinha boa, um atendimento bom no balcão, se o nosso entregador não for bom. Se a gente prepara um marmitex com todo o cuidado, ele não pode chegar todo revirado ao meu cliente, por isso o entregador é peça chave no empreendimento.”, destacou Higor Thiago Cortez.

Fonte: Raquel Fernandes/ Grupo A Gazeta