Gazeta de Amambaí


Quinta-Feira, 14 de Junho de 2018 às 09:02

Como surgiram os cartões amarelo e vermelho no futebol

Juiz de futebol mostra um cartão amarelo para um jogador no campo

Direito de imagem

GETTY IMAGES
Image captionPunição em código para faltas mais graves foi adotada após confusão em jogo na década de 1960

Uma confusão na Copa do Mundo de 1966 inspirou a criação dos cartões vermelho e amarelo para indicar penalidades no futebol.

Até então, os árbritos dependiam apenas do apito, de gritos e gestos para indicar faltas ou expulsões.

Isso causou tumulto em um jogo das quartas de final entre Argentina e Inglaterra no estádio de Wembley, em 1966.

O jogo foi conturbado do início ao fim. Enquanto os jogadores ingleses celebravam a vitória, os argentinos cercavam o árbitro alemão Rudolf Kreitlein – que acabou tendo a camisa rasgada e precisou de escolta dos seguranças e da polícia para sair do campo.

O que deixou os argentinos em polvorosa foi a expulsão do capitão do time, Antonio Rattin. O jogador havia contestado a marcação de uma falta dirigindo-se ao juiz, que não falava espanhol e expulsou o argentino usando o indicador. No meio da confusão, Kreitlein precisou de ajuda do responsável pelos juízes no torneio, o inglês Ken Aston, para convencer Rattin a deixar o campo.

Depois da partida, os jornais anunciaram que o árbitro tinha também marcado falta de dois jogadores ingleses – os irmãos Bobby Charlton e Jack Charlton. Mas essas decisões também não tinham ficado claras durante a partida, e o técnico do time inglês procurou a FIFA para obter esclarecimentos.

O árbitro Gottfried Dienst consulta o bandeirinha Tofik Bakhramov depois de um gol controvertido na final da Copa do Mundo de 1966, entre a Alemanha e a Inglaterra, no estádio de WembleyDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionA Inglaterra foi campeã em 1966 ao vencer a Alemanha na final

O episódio deixou o responsável pelos juízes no torneio, o inglês Ken Aston (1915-2001), pensando em como evitar esse tipo de problema de comunicação no futuro, segundo a FIFA (Federação Internacional de Futebol).

Inspiração no trânsito

Aston teve a ideia dos cartões quando estava dirigindo e o semáfaro ficou vermelho. "Eu pensei: 'amarelo', pega leve; 'vermelho', pare, você está fora", contou Aston à FIFA;

O inglês percebeu que a ideia de usar cores para sinalização era ótima por não ser dependente de idioma - o uso do mesmo esquema de cores do trânsito tornava a indicação compreensível para falantes das diversas línguas dos países que participam do mundial.

Os cartões vermelho (para indicar uma expulsão) e amarelo (para indicar uma falta grave) foram introduzidos pela primeira vez na Copa do México de 1970. A experiência foi considerada muito bem sucedida pela FIFA e adotada permanentemente.

Pelé corre com a bola na Copa de 1970, que foi a primeira na história do futebol a ter cartões vermelho e amareloDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionO uso dos cartões vermelho e amarelo começou na Copa de 1970, no México

Desde que começaram a ser usados no futebol, os cartões coloridos foram absorvidos por diversos esportes, como vôlei, handebol e rugby, com cada modalidade adaptando a ideia para suas regras.

Hoje, é praticamente impossível pensar em futebol sem o uso dos cartões, que se tornaram até uma expressão línguistíca usada fora do jogo – dar "cartão vermelho" para alguém virou sinônimo de apontar uma falta gravíssima na atitude alheia, em linguagem coloquial.

O pai da ideia

Nascido em 1915 na Inglaterra, Kenneth George Aston se tornou árbitro com apenas 21 anos, em 1936, segundo a FIFA.

Um ano antes, dando aulas no ensino fundamental, Aston tinha sido indicado como juiz das partidas entres os alunos – o futebol era uma parte importante do currículo escolar no Reino Unido. O jovem pegou gosto pela coisa e logo depois decidiu seguir como árbitro.

Sua carreira foi interrompida pela Segunda Guerra Mundial, quando Aston serviu como tenente coronel em operações inglesas na Ásia. Com o fim do conflito, voltou a arbitrar e, de acordo com seu obituário no jornal inglês The Times, tornou-se um dos juízes mais respeitados nos anos 1960.

Foi o árbitro do jogo de abertura da Copa do Mundo de 1962, no Chile, e apitou também o famoso jogo entre o Chile e a Itália que ficou conhecido como "Batalha de Santiago" – uma das partidas mais violentas da história da Copa. A violência começou nos seis primeiros minutos e só aumentou.

Aston expulsou dois jogadores italianos e precisou da ajuda da polícia em três ocasiões para restaurar a ordem no campo. A pior das brigas, entre o chileno Leonel Sanchez e o italiano Paride Tumburus, foi apartada pelo próprio árbitro.

Um ano depois, Aston se aposentou do trabalho no campo, mas entrou para o Comitê de Arbitragem da FIFA, que presidiu de 1970 a 1972. Aston morreu em 2001, aos 86 anos.

Fonte: BBC Brasil

COMPARTILHE

IMPRIMIR

   
  • Mais Notícias
  • Mais Lidas
  • Mais Esporte

Copyright © A Gazeta News.
Todos os Direitos Reservados.
Todas as matérias poderão ser reproduzidas desde que citada a fonte.